Histórias não contadas

Histórias não contadas

“Não há maior agonia do que carregar uma história não contada dentro de si.”
Maya Angelou

Não há agonia maior do que carregar uma história não contada.
Não há agonia maior do que carregar uma história não ouvida.
Não há agonia maior do que ver que uma história precisa ser ouvida.
E mesmo assim, carregar a agonia não ter ela contada.

Dizem que em 2019, todas as histórias já foram contadas, mas isso não é verdade.
Muitas histórias já foram contadas.
Se você é um homem, branco, heterossexual, rico e estudado, sua história provavelmente já foi contada de uma forma ou de outra.

Você se vê nas histórias.

Sua história é basicamente toda a literatura brasileira.
E essa história é importante.
É uma história.
Mas essa história já foi escrita e reescrita tantas e tantas vezes que sabemos como ela começa, e como ela termina.
E mesmo assim continuam escrevendo sobre elas.
Continuam escrevendo sobre elas enquanto existem tantas histórias que ainda não foram contadas.
E que precisam ser.
Se você é uma mulher negra bem sucedida e estudada, talvez sua história não tenha sido contada.
Se você é uma mulher que ama outras mulher e vive uma vida plena e feliz, sua história provavelmente não foi contada também.
Pelo menos, não dá forma certa.
E essas são histórias que precisamos ouvir.
Crescemos ouvindo e estudando sobre homens brancos, héteros e ricos que leem homens brancos, héteros e ricos e escrevem sobre as peripécias da vida de homens brancos, héteros e ricos.
Esse é nosso cânone literário.
Essa é nossa cultura.
Essa é a literatura brasileira.
E essa é a história que nós já sabemos que funciona.
Mas existem histórias que nós não sabemos.
Existem histórias que nós não sabemos que funcionam, porque ninguém se interessou em contar antes.
Mesmo que pessoas estejam desesperadas para ouvir.
Para que alguém possa dizer que essa história dá certo também.
Que ela existe.
Existem histórias que eu gostaria muito de ter ouvido antes de chegar até aqui.
Talvez não exista algo como histórias que já foram contadas vezes demais.
Mas existem histórias que foram contadas vezes de menos.
Porque nós ainda precisamos dessas histórias.
Nós precisamos ler, ouvir e contar essa histórias.
Nós precisamos que elas sejam vistas para que possamos começar a acreditar que elas existem.
Para que um dia possamos nos ver, também, representados na literatura.
De uma forma boa.
Para que um dia possamos olhar e dizer que aquela história também é sobre nós.
Para que não seja difícil encontrar uma história que seja sobre nós.

E não me entendem mal, eu não desgosto de histórias que lemos até agora, eu só as invejo.
Porque, no fim, não há agonia maior, do que carregar uma história nunca contada.

Colunista Laura Guzinski

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *